E quando existe a "ex"?


Pois é… Quando se tem um filho proveniente de um casamento heterossexual, e não de uma gozadinha em um copo que foi atochada dentro de uma sapata qualquer, haverá sempre uma “ex” pendurada nessa situação. Ou pelo menos até a maioridade do filhão(ota). Cuidado, muita atenção, redobre a sua intuição, consulte os búzios, tarôt, centros de macumba, pais de santo, bola de cristal, ETs, reza braba, faça de tudo pra acertar, e escolher a melhor “ex” mulher possível, senão você vai estar frito, e sem tempero, com as calças na mão e o pau no buraco errado.

Acho que o que mais dá encrenca é a parte financeira. Esses acordos são sempre muito traumáticos. No meu caso tudo teve de ser resolvido na justiça. Nem vem ao caso entrar em detalhes aqui, mas pode ter certeza que o advogado delas vai tentar te arrancar tudo que puder e não vai jogar limpo. Talvez a ideia da gozadinha no copo da sapata não fosse tão ruim assim, né? No meu caso, não era um cara gay querendo ter um filho. Era um gay apaixonado por uma mulher hetero que achou que estava na hora de ter um filho. Até aí, mil maravilhas. O problema é sempre quando o amor acaba. Não acho que tenha acabado por eu ser gay, a idéia de abrir mão da minha sexualidade gay por um amor não me aterrorizava. Havia me acostumado. E como qualquer outro casamento, os problemas surgem quando acaba. Não me arrependo de nada, principalmente de ter sido casado por 10 anos. O que me mata é a decepção de não termos continuado amigos. Foram baixarias, umas atrás das outras. Culpa dela? Minha? Sabe-se lá! Só sei que pior que o término do casamento foi o fim da cumplicidade de um homem gay e sua melhor amiga e confidente hetero. Sim, confidente. Essa mulher por muito tempo foi a única a saber que eu era gay. Alguém sabe o poder que isso lhe dava? A admiração que eu sentia de estar com uma pessoa que não me julgou e apenas aceitou? Mas é claro que isso não passou de uma ilusão que rapidamente se apagou com as inúmeras vezes que brigamos após o término.

O que eu quero dizer é: não escolha apenas uma boa mãe para o seu futuro filho e nem uma ótima companhia, seja prático e escolha uma boa “ex”. Ex-mulher, ex-amiga, ex-sapata, ex-barriga de alugue, não importa. Se você é gay e quer ter filhos, saiba que tão certo quanto a morte é que a mãe do seu filho(a) será um dia uma “ex” e que, se não escolher direito, será também uma atualíssima dor de cabeça!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
This entry was posted in adoção gay, amor, assumir, filho. Bookmark the permalink.

12 Responses to E quando existe a "ex"?

  1. Diego says:

    Gente, a gente escreve e aparece nos comentários recentes! Que coisa high-tech. Como faz isso?Bom ler sobre a sua experiência, desconstrói certos estereótipos. Ou paradigmas. Não sei ao certo.

  2. Leandro says:

    uau eu nao gostei da forma que tu se referiu as homossexuais "gozadinha em um corpo que foi atochado em uma sapata qualquer" ou "gozadinha no corpo da sapata nao fosse tao ruim assim" @_@ estou em choque! isso pra mim eh misoginia, decepcionei contigo.

  3. Visão says:

    Eu quero ter um filho, mas farei isso no USA, com uma bela barriga de aluguel e com um bom contrato, para depois não vir a Maria Madalena arrependida buscar o que ela não tem direito. Fato!Boa sorte com essa ai!

  4. Natalie S. Dowsley says:

    Bem prático! =)Mas acho que, no fundo, você bem sabe que as coisas do coração não são "práticas" assim…Mas, não custa nada refletir sobre, né?! =)Abraços!

  5. Papai Gay says:

    Caro Leandro, é acho que pode até parecer isso. Mas não vou ficar me explicando por usar a palavra "sapata". O que eu quis dizer foi que não tive um filho de qualquer jeito! E nem condeno quem tem filhos atochando seu gozo em uma "sapata" qualquer. Eu me reservo o direito de usar as palavras viado e sapata sem demagogia, justamento porque sou um viado também e tenho várias amigas sapatas. Ah! ADORO A POLÊMICA!

  6. Leandro says:

    a questao nao foi a palavra sapata pq isso definitivamente nao me incomodou e sim o sentindo de desvalorização a pessoa. pra mim soou da mesma forma quando ouço um homem hetero dizer para uma mulher "tu eh pra casar a outra eh pra diversao" eh como se uma fosse superior a outra e nao falo no sentido "emocional, afetivo". mas obviamente que temos que escolher as pessoas que julgamos ser a certa, mas nao gostei destas colocações.

  7. Papai Gay says:

    Leandro… Sinto te informar, mas existe sim, pessoas melhores que outras. Ou, por acaso você se acha igual ao Hitler ou o Silas Malafaia? Existem "sapatas" legais e existem escrotas, assim como gays legai e escrotos, cachorros, papagaios, etc! Outra coisa, não estou aqui para ser politicamente correto, muito menos idolatrado como o "Sr. Perfeito". Claro que cada um pode achar o que quiser do que eu escrevo, mas sinceramente, você não entendeu o que queria dizer. Que era: É MUITO diferente gerar um filho com amor do que fazê-lo cientificamente. Só isso! E digo mais, foi sem julgamento ético isso! Cada um que tenha seu filho do jeito que quiser! Era esse o ponto. Mas ok! WHATEVER!

  8. Leandro says:

    eh um ofensa me comparar a estas criaturas maleficas que horror, eca!eu sei que tem pessoas de todos os tipos em todos os lugares e também sei que para se fazer um filho tem que ter muito amor e blablabla, mas cientificamente falando filhos planejado são muito mais desejados amados do que os nao planejado eh o que diz a ciencia e infelizmente muitas pessoas precisa da ciencia para ter filhos. mas tbm acho que tu nao me entendeu o ponto que me incomoda, mas nao quero fazer do post um debate o que ja estou fazendo e tbm nunca tive a pretensão de querer que tu sejas politicamente correto. eu me identifico com os seus relatos a forma que tu falas, mas sobre a gozadinha em uma qualquer isso me irrita eu associo a machismo missoginia, mas vamos seguir.

  9. MY EGGS BRAZIL says:

    adoro polêmicasMY EGGS – BRAZILhttp://myeggsbrazil.blogspot.com/

  10. J Medeiros says:

    BEM… Concordo com o "papay gay". Temos que ter filhos de forma humana, sincera, afetiva, pois a questão de ter filhos é bem facil, dificil mesmo é cria-los e educa-los com bastante amor.

  11. EFS*** says:

    Concordo com o Papai até o último fio de cabelo…Ps. Adoro Polêmica kkkkkkPss. Que Leandro chato do caralho! (ops… acho que o ofendi usando "caralho"!);)

  12. Well Bernard says:

    Sou novo aqui no seu blog, mas ele é muito necessário. Ele confronta muito do que penso. Muito bom, seu blog, ele me trará ótimas polêmicas internas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *