Que Deus sou eu?

Sexta, noite, chamados, mudanças, angústias, paralisia, mesmice, eu. Eu, eu, eu, mil vezes eu. Sabe aquela sensação arrebatadora, aquela que dá calafrios e ondas de calor ao mesmo tempo? Uma explosão interna, mas que não te move 1 músculo sequer. Você sabe que algo precisa ser feito urgentemente, que uma atitude precisa ser tomada, que as coisas precisam mudar, que tudo precisa mudar, que você precisa muito mudar. Mesmo assim, você faz absolutamente nada. Deixa como está. Você conhece o que está aqui, o que você é, o que está à sua volta. Será a necessidade do novo maior que a comodidade da inércia? Que insatisfação é essa? Eu consigo identificar? Será algo interno, do fundo da minha alma, ou está ao meu redor, na sociedade, no Brasil, no mundo? De onde vem essa inquietudo que insiste em morar em mim? Por que ela tira meu ar, sufoca meus sonhos, me esvazia? Não quero ser impotente. Às vezes acho que sei exatamente o que me incomoda, sei tudo que preciso fazer para mudar, sei onde aparar minha vida, sei onde jogar sementes, sei até demais, sei tanto que tenho medo do que sei. Se sei tanto assim, por que não sigo meus conselhos? Sei tudo para todos. E para mim? Terei que saber também? Quero acreditar em um Deus que sabe tudo, assim, paro de me sentir Deus e passo o cargo para Ele, pois, afinal, é o mais preparado para tal responsabilidade. Muito mais facil responsabilizar Deus por meus erros e acertos. Pra que resolver minhas angústias? Vamos deixar que Deus faça isso com seu famoso”euphemism”: O destino.

É tão mais facil ter um destino, isso nos exime de qualquer responsabilidade conosco. Tudo é culpa do destino, do karma, das estrelas, e por aí vai.  Mas não, não consigo, não quero, não acredito. Sou meu próprio Deus, o dono do meu “destino”. No momento, me sinto numa bifurcação, parei nela. Olho para um lado, para o outro, penso em voltar por onde vim, penso em sentar e chorar, penso em me matar, penso em acreditar, penso, penso e penso mais. Nada. Sem pensar mais, resolvo caminhar, não interessa mais onde vai dar, não quero mais saber o último capítulo, quero andar, sentir a brisa do novo caminho, respirar fundo e torcer. Torcer para que ao chegar lá eu seja alguém mais feliz, ao menos mais calmo, mais consciente de quem sou e do que quero. A maior benção não é a felicidade, é muito mais simples que isso. A melhor coisa deve ser saber o que se quer de verdade. Não falo aqui de coisas, nem de clichés que todos dizem querer. Um bom emprego, um amor, uma famíla, falo de algo mais forte, de algo que não sei decifrar. Quero simplesmente, e acho que aí se encontra a verdadeira felicidade, que eu queira algo de verdade. Um “algo” INTOCÁVEL. Será que existe algo que queiramos assim? Seria isso o que as “Miss”s do mundo todo banalizam? A tal da paz mundial? Pode até ser, mas esta, só virá através da paz individual de cada um, com sua própria consciência. Essa paz é o “target”. Quero isso. Quero querer ao ponto de não precisar querer mais nada. Será que é assim que as pessoas viram monges? Deve ser. Eu, por exemplo, pensei, pensei e acabei querendo, racionalmente, a paz interior. Será que vou me enfiar em algum monastério na China? Acho que não. Esse querer foi muito racional. Quero algo com meus “guts”, minhas entranhas, não cerebral. Quero querer. E não pode ser um querer qualquer, tem que ser avassalador, tem que me mover, tem que ser o porquê da minha existência.

Até lá, vou me contentando em querer um carro novo, saúde, saldo azul no banco, férias e muita farra neste carnaval. Deixa o querer, que move o ser humano, para o dia que ele resolver pintar na minha vida. Sei que não é algo, nem um alguém e mal posso esperar para conhecê-lo. Estarei aqui, no mesmo lugar, com as mesmas angústias, a mesma inércia, as mesmas mudanças, outras questões, talvez, outras certezas também, mas sempre na espera. Esperando um querer que me faça acreditar que Deus sou eu de novo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

5 Responses to Que Deus sou eu?

  1. Cara Comum says:

    Bom, eu não queria falar isso porque eu creio que não te conheço a ponto de ter a liberdade de meter o bedelho em sua vida, mas ao mesmo tempo me sinto na responsabilidade como um "amigo virtual" de expressar o que eu percebo no intuito de colaborar com suas divagações…A questão é: percebo que ultimamente seus posts andam meio melancólicos, com crises existenciais… Talvez seja um bom momento para fazer uma análise. Não necessariamente uma análise que envolva um profissional (um psicólogo, por exemplo), mas uma auto-análise profunda que te faça perceber a origem dessa angústia que vc transpira…Sei lá, não quero te rotular nem nada, mas essa melancolia não combina com a imagem que tenho de vc. Parece que algo se perdeu por ai…Desejo muita sorte pra vc nessa busca e digo que tem muita gente torcendo por vc, ok? De coração!! Afinal, vc já ajudou muita gente com suas palavras e isso gera ao menos gratidão!Força!!!Abração! E muita paz!!!

  2. SB-SSA says:

    Gostei do blog. Bem legal! PARABÉNS!!!!!

  3. Magno Farias says:

    "não quero mais saber o último capítulo, quero andar, sentir a brisa do novo caminho, respirar fundo e torcer…" Meu querido, a graça esta justamente aí, nas peuqenas pedras que encontramos pelo nosso caminho, nas barreiras que enfrentamos com frequência para chegar a algum lugar. Entre todas as nossas as lutas pessoais ainda temos a luta coletiva com o intuito de conquistarmos nosso espaço de maneira sólida na sociedade. Seu querer vai muito além de sí, e por isto não pode compreendê-lo. Mas quem te disse que você precisa compreender tudo? Atenção ao caminho, despreocupe com a chegada." futuro é a expectativa do que esta por vir, o passado são as nossas grandes lembranças e o presnte… é apenas isto, o agora"

  4. Papai Urso do Interi says:

    Já deixei transparecer que amo Astrologia séria, aquela que lida com cálculos matemáticos e não propriamente a xaropada dos horóscopos de jornal, e neste zodíaco sério, existe uma estorinuha sobre o elemento água no qual estão contidos Câncer, Escorpião e Peixes. Dizem que o caranguejo Câncer margeia, entra na água mas não passa da superfície. Peixes nada e mergulha até um ponto médio. Já Escorpião ultrapassa o ponto médio e busca as águas águas turvas, densas, escuras e profundas das regiões abissais que nenhum dos outros dois se atreve a penetrar, o fundo do fundo do fundo…, isso parece simplista mas é a SUA busca, escorpiano, vc ñ se contenta somente com as questões fáceis, vc quer respostas para as questões difíceis tb… Essa profundidade e busca do eu tb está presente em Leão (meu signo), Aquário e um pouco em Capricórnio.

  5. FOXX says:

    édescreveu a sensação q tenho vivido em mtas ocasiõesobrigado por pôr em palavras

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *